quarta-feira, 11 de maio de 2016

Literatura Teen

Paula Pimenta divulga capa de novo livro, "Princesa das Águas"

Lançamento é uma releitura moderna do conto 'A Pequena Sereia'

          https://1.bp.blogspot.com/-k2rQnn3APo4/VzJkCPIal7I/AAAAAAAAOcA/iC5KckYGaxkOUXk_PMK1rv2q7gZ9jBIEQCLcB/s1600/PRINCESA%2BDAS%2BAGUAS.png
                                  Livro tem lançamento previsto para Julho

    
   Já noticiamos aqui no 'Sobre Arte' que a Paula Pimenta estava preparando uma releitura moderna do conto da Princesa Ariel ('A Pequena Sereia'). Pois é, a autora acaba de divulgar a capa do livro - que ficou um encanto! -, intitulado 'Princesa das Águas'. O livro é parte da série 'Princesas por Paula Pimenta' - que já conta com 'Cinderela Pop' e 'Princesa Adormecida'. 
  Com lançamento previsto para Julho, a obra dá um olhar mais moderno ao famoso conto da sereia que encantou gerações. Provavelmente, teremos uma Ariel nadadora. Ou quem sabe surfista? É esperar pra ver. 

http://www.sobrelivros.com.br/sobrelivros/wp-content/uploads/2016/05/CAPA-Princesa-das-%C3%81guas-204x142.jpg

 Princesa das Águas, você nem imagina o quanto estamos ansiosos para ser 'Parte do seu Mundo'.

                                              "Eu não sei bem
                                               Como explicar
                                               Que alguma coisa vai começar
                                               Só sei dizer
                                               Que á você
                                               Vou pertencer!"
                   

quarta-feira, 20 de abril de 2016

                        Frases de livros 

     De 'Romeu e Julieta' á 'Alice no País das Maravilhas', lista reúne dez das melhores citações literárias

 

                                     'Orgulho e Preconceito', de Jane Austen 

   Todo mundo tem um livro preferido. Aquele que tem um lugar especial na estante, que já perdeu a conta de quantas vezes leu, que sempre abre para reviver suas citações preferidas. E é delas que vamos falar hoje. As citações de livros... Alguma lhe marcou em especial? Conte para a gente, enquanto deixamos aqui a nossa lista, com frases marcantes e inesquecíveis, de se guardar para sempre... 

  A  Princesinha, Frances Hodgson Burnett   

  

1 - "De alguma forma, alguma coisa sempre acontece antes que a gente chegue no pior ponto. Eu tenho que lembrar sempre disso, o pior nunca acontece."

2 - "Aconteça o que acontecer - pensou - uma coisa não se altera. Se sou uma princesa em andrajos, posso ser uma princesa por dentro. Seria fácil ser princesa vestida de ouro, mas é um triunfo muito maior ser uma princesa o tempo todo, sem ninguém saber."

3 - "Se eu continuar falando e lhe explicando como a gente "faz de conta", vou aguentar melhor. Não é que a gente esqueça, mas aguenta melhor."

 Romeu e Julieta, Willian Shakespeare        


4 - "O que é que há, pois, num nome? Se aquilo que chamamos rosa, com qualquer outro nome, teria o mesmo perfume." 
    

  Meu Pé de Laranja Lima, José Mauro de Vasconcelos  

                           

 
5 - "Alegria é um sol brilhante dentro do coração" 
 
6 - "Porque a vida sem ternura não é lá grande coisa"


                               

  Fazendo Meu Filme, Paula Pimenta  

7 - "Eu já tinha acreditado que algum dia eu seria como a protagonista de um da queles filmes, que o final feliz seria questão de tempo...Mais descobri que a felicidade e finais não combinam."
 

  Alice no País das Maravilhas, Lewis Carroll 

                                   

 8 - "A única forma de chegar ao impossível, é acreditar que é possível."

                                           

  Orgulho e Preconceito, Jane Austen 

9 - "Meus sentimentos não se manisfestam por qualquer coisa. Meu temperamento poderia talvez ser classificado de vingativo. Minha opinião, uma vez perdida, fica perdida para sempre."

   Memórias de Emília, de Monteiro Lobato

                      

 10 - "Eu penso que todas as calamidades do mundo vem da língua. Se os homens não falassem, tudo correria muito bem, como entre os animais que não falam. As formigas e as abelhas, por exemplo. Esses bichinhos vivem na maior ordem possível, com suas comidinhas a hora e a tempo – e que comidas! (E qual o segredo da felicidade desses animaizinhos? Uma só: não falam. No dia em que derem de falar, adeus ordem, adeus paz, adeus mel! A língua é a desgraça dos homens da terra."

sábado, 9 de abril de 2016

Parabéns!!

Sucesso entre o público jovem,Paula Pimenta ultrapassa marca de 1 milhão de livros vendidos                                                                  

 Autora ainda foi parabenizada pelo também escritor e dramaturgo Walcyr Carrasco: "Você merece!"

 

   Segunda, dia 14 de Abril de 2016, Paula Pimenta e seus fãs foram surpreendidos com uma notícia daquelas! É que a escritora, conhecida pelas séries 'Fazendo Meu Filme' e 'Minha Vida Fora de Série' acaba de ultrapassar a marca de 1 milhão de livros vendidos! Sendo assim, Pimenta é a segunda autora brasileira do segmento juvenil a alcançar o feito, atrás apenas de Thalita Rebouças - com quem fez parceria no livro 'Um Ano Inesquecível'. 
   Amigo de Paula, o também autor Walcyr Carrasco, que atualmente assina a novela 'Eta Mundo Bom' para a Rede Globo, fez questão de parabenizá-la. Em seu Instagram, o autor escreveu: "A querida @paulapimenta acaba de ultrapassar a marca de um milhão de livro vendidos! Parabéns Paula! Você merece!


   E que venham 2, 3, 4, 5, ... milhões de livros vendidos!!!

sábado, 19 de março de 2016

Literatura

           A obra infantil de Monteiro Lobato 

Curiosidades e trajetórias dos livros do autor brasileiro mais importante na literatura voltada aos pequenos leitores 

                       

                                     Ilustração de Jean G. Villin para 'As Reinações de Narizinho', de 1931

"O mundo das maravilhas é velhíssimo. Começou a existir quando nasceu a primeira criança e há de existir enquanto houver um velho sobre a terra". 
     Em sua vasta obra infantil, composta de 23 títulos, Monteiro Lobato confirma sua célebre frase de 'Reinações de Narizinho', clássico que introduz ao público famosos personagens como Dona Benta, Tia Nastácia, Narizinho, Pedrinho, os brinquedos vivos Emília e Visconde de Sabugosa, dentre outros saídos da rica imaginação do autor paulista.


       As obras de Lobato servem até hoje de inspiração para diversos autores infantis, além de seguir encantando crianças e adultos com suas histórias cheias de criatividade e bom humor. Não é a toa que o 'Sítio do Picapau Amarelo' tornou-se tão marcante no imaginário brasileiro, se disseminando em mídias variadas e firmando-se como um dos nossos maiores clássicos. É em vista disso que o 'Sobre Arte', dessa vez, resolveu falar sobre Monteiro Lobato.

"Ainda acabo fazendo livros onde nossas crianças possam morar" 

  De fato, Monteiro Lobato escreveu livros onde as crianças moravam, e ainda hoje moram. A influência de suas obras passadas no sítio de Dona Benta é tão grande que vemos muitas vezes elas representarem nossa literatura para crianças, mesmo depois de quase cem anos do lançamento de 'A Menina do Narizinho Arrebitado". A escritora Fanny Abramovich afirmou que não houve em sua infância autor como Lobato. "O que mais me impressionou agora é como ele não separa a realidade da fantasia. Não tem fronteiras. Sai dum, entra no outro, num pulo só. Delícia pura! Estudei milhares de artigos sobre o jogo da criança. Ele, aposto que nem precisou. Caiu de boca e entrou no jogo. As crianças e bichos vivem no divertimento descobertante, na alegria de sair pelos aís e depois...calmamente todos voltam pro Sítio, com um berro chamante da Dona Benta pra comer bolinhos." 

 

     Um fato curioso acerca do autor foi quando Emílio Moura reuniu os alunos de um grupo escolar de BH e apresentou-os á Monteiro Lobato. As crianças não queriam acreditar que aquele, ali na frente delas, podia ser Lobato. "Então o senhor pensa que nós acreditamos? O homem que escreveu Narizinho não pode estar aqui!" A ideia de que um homem de carne e osso, como tantos outros, pudesse escrever histórias infantis tão mágicas não podia ser real. O escritor conta que ficou emocionado diante daquela reação. "Nunca pensei que fosse tão séria a influência do que escrevo. Até agora ia escrevendo... por escrever... mas essa meninada me deu uma lição. Vou pensar muito antes de escrever daqui por diante".

Críticas 

  O tom de crítica das obras lobatianas também era algo que chamava atenção. Muitos políticos brasileiros da época chegaram a afirmar que seu trabalho era "antipatriota", e que o autor foi "indelicado" ao falar mal do governo para crianças. Lobato respondeu que "era importante", para ele, "transmitir o seu espírito crítico através de suas histórias, e que "as pessoas estavam habituadas a mentir para seus filhos, dizendo que o Brasil era um país realmente maravilhoso". Durante a vida, Lobato foi bastante incompreendido por pais e educadores, e seus livros chegaram a ser inclusive queimados no pátio de uma escola.                                              Cecília Meireles também pensava que os livros do autor "estavam em desacordo com o moderno espírito de educação". Para ela, as histórias lobatianas eram engraçadas, mas seus personagens eram completamente detestáveis.

O Sítio em outros países 



Os personagens ilustrados em uma edição russa da série.   Desde os anos quarenta, os livros de Monteiro são traduzidos para outros países, como Alemanha e Itália, por exemplo. Mas as traduções para o exterior da obra lobatiana ganharam ainda mais força com o desenho animado 'Sítio do Picapau Amarelo', de 2012, que, levado para diversos países, fez os livros chegarem ao Japão, Rússia, entre outros. 


Quase 100 anos

Em Dezembro de 2020, a obra infantil completa cem anos. No natal de 1920, Lobato deixou o melhor presente que as crianças daquele tempo poderiam sonhar: um livro infantil ilustrado, com uma história propriamente brasileira. Antes de 'A Menina do Narizinho Arrebitado', os livros infantis no Brasil eram sempre adaptados de clássicos estrangeiros, ou apanhados da cultura popular do país. Em 1931, Lobato integrou 'A Menina' no livro 'Reinações de Narizinho', sendo essa sua obra-prima, segundo críticos. 
    Os livros do 'Sítio' já viraram filme ('O Saci', de 1951, e 'O Picapau Amarelo'), série de TV (Na extinta TV Tupi, na TV Cultura, Bandeirantes e, duas vezes, na Rede Globo), desenho animado, revista em quadrinhos e muito mais. O segredo para tanto sucesso talvez esteja na liberdade que o autor proporciona ás crianças através da leitura de seus livros. Antes de Lobato, os pais falavam e os filhos obedeciam, sem dar um só pio. Foi ele quem ensinou que todos podem ter vez e voz. As histórias cheias de fantasia e criatividade, além de seu brasileirismo imenso, também foram responsáveis por tamanha dimensão. Sem falar que seus livros, todos eles, são como verdadeiros retratos da infância. Comer jabuticabas e fazer ploft, pluft, nhoc!, largatear ao sol, brincar de "faz-de-conta"... Não há criança que não se veja descrita ali. 
                                        A seriado infantil de 2001, baseada na obra literária de Monteiro Lobato   

quarta-feira, 16 de março de 2016

Filmes

   Dez musicais que marcaram a história do 

                                  cinema 

De 'Nasce Uma Estrela' á 'Mary Poppins', lista reúne filmes recheados de música que se tornaram grandes clássicos

 

                                              'Cantando na Chuva', com Gene Kelly 

    Gosta de musicais? Independente de se a resposta for "sim" ou "não", é muito difícil encontrar quem nunca tenha assistido algum. Talvez você se lembre de passar tardes cantando, durante a infância, 'Supercalifragilisticexpialidocious' e 'Somewhere Over The Rainbow', ou, já mais crescido, se pegar cantarolando 'The Sound of Music' e 'Moses Supposes', não é mesmo? Seja como for, nosso blog fazer uma lista com os 'Dez musicais que marcaram a história do cinema', com filmes recheados de canções! Quer conferir?


1 - A Noviça Rebelde, de 1965

  Há poucos dias atrás postamos aqui no 'Sobre Arte' uma lista com várias curiosidades sobre esse filme, que é, sem sombra de dúvidas, o maior clássico quando se fala em musicais cinematográficos. Canções como 'My Favorite Things' e 'The Sound Of Music' marcaram gerações, e a história da noviça sem vocação segue citada, adaptada, e, principalmente, vista e apreciada. Se nunca assistiu, não perca tempo! 

2 - Cantando na Chuva, de 1952 

    Sabia que o roteiro da história passada nos anos 20 foi montado a partir de músicas selecionadas de outros filmes? E que a única canção feita exclusivamente para o filme foi 'Moses Supposes'? Ou que a grande estrela dos musicais, Judy Garland, foi cogitada para interpretar a ingênua Kathy Selden? Talvez, mais para frente, 'Cantando na Chuva' apareça no nosso  'Sobre Curiosidades', como aconteceu com 'A Noviça Rebelde'. Há muito a se falar tanto da história de famoso Don Lockwood quanto da produção do musical.

3 - O Mágico de OZ, de 1939

  Responsável por revelar Judy Garland, o filme baseado na obra literária de L. Frank Baum se tornou tão célebre que hoje os sapatinhos vermelhos de Dorothy são muito mais associados á história em si do que os cor-de-prata do livro. A canção 'Somewhere Over The Rainbow' também alcançou bastante dimensão, e um fato curioso acerca do musical é que foi um fracasso de bilheteria na época de seu lançamento,  sendo que hoje é uma das obras mais populares do cinema.

4 - Agora Seremos Felizes, de 1944

  Também estrelado por Judy Garland, a história das quatro irmãs da família Smith permanece com espaço no coração dos espectadores. As canções 'Meet Me in St. Louis' e 'Skip to my Lou', entre outras, seguem ainda bastante cantadas, provando que o filme da Metro Goldwyn é o que podemos chamar de atemporal. 

5 - Dirty Dancing, de 1987 

  Sabia que a música 'She's Like the Wind' foi co-escrita pelo próprio ator Patrick Swayze? E que Val Kilmer e Billy Zane foram escalados para o papel de Johnny Castle? Bom, de uma coisa você deve saber. Que falar de musicais sem falar de 'Dirty Dancing' definitivamente não é falar de musicais! O clássico dos anos 80 continua encantando e pedindo para ser visto e revisto.

6 - Moulin Rouge - Amor em Vermelho, de 2001

   Quer filme mais cheio de música? A história do jovem escritor Christian, vivido por Ewan McGregor, e a estrela do Moulin Rouge, Satine, interpretada pela atriz Nicole Kidmam, apesar de ser mais recente que as outras aqui listadas, não deixa de ser um clássico. A trilha sonora contém títulos como 'Lady Marmalade', 'Your Song' e 'The Show Must Go On', e é composta por 22 canções.


7 - Nasce Uma Estrela, de 1954

  Dessa vez, Judy Garland vive Esther Blodgett, uma artista sonhadora que deseja se tornar uma grande estrela. Um fato interessante de ser lembrado acerca desse filme é que ele já conta com três versões. Uma de 1937, essa de 1954 e outra de 1976. 'Gotta Have Me Go with You', cantada por Judy Garland e Mens Chorus, alcançou bastante sucesso.

8 - Branca de Neve e os Sete Anões, de 1937

   E que tal uma animação? 'Branca de Neve e os Sete Anões', mesmo após praticamente 80 anos de seu lançamento, permanece atual como se tivesse acabado de surgir. Quem não se lembra de Branca de Neve cantando 'Someday My Prince Will Come' para os anõezinhos? O filme foi o primeiro a ter uma trilha sonora lançada no mercado, e marcou o início dos desenhos animados em longa-metragem na Disney.

9 - Mary Poppins, de 1964 

   Foi o filme que tornou célebre Julie Andrews, que posteriormente encarnou a 'Noviça Rebelde', tornando-se a atriz que mais fez sucesso em menos tempo. Baseado na série de livros da autora australiana P L Travers, 'Mary Poppins' inovou ao misturar atores reais com animações. Músicas como 'Supercalifragilisticexpialidocious' e 'A Spoonful of Sugar' integravam a trilha do filme recheado de fantasia.

10 - Minha Bela Dama, de 1964 

  Baseado na peça teatral de George Bernard Shaw, 'Pigmalião', filme traz Audrey Hepburn como Eliza Doolittle, uma mendiga que vendia flores pelas ruas escuras de Londres, que conhece um professor de fonética, Henry Higgins, vivido por Rex Harrison, capaz de descobrir sobre as pessoas através dos sotaques delas. Ao escutar o sotaque horrível da mendiga, chega a apostar com um amigo, Hugh (Wilfrid Hyde-White), que é capaz de transformá-la numa suntuosa dama. A canção 'Why Can't the English?' é uma das que embalam esse verdadeiro clássico.

terça-feira, 15 de março de 2016


Paula Pimenta busca inspiração na 'Pequena Sereia' e deixa leitores curiosos

 'Buscando inspiração... O que será que vem por aí'? escreveu a escritora em legenda de foto com objetos que remetem á Princesa Ariel




   Como já noticiamos aqui no 'Sobre Arte', a Paula Pimenta vai lançar em breve um novo membro para sua série com releituras modernas de princesas - composta por 'Princesa Adormecida' e 'Cinderela Pop' -. Em 2016, a princesa da vez é a Ariel, do conto 'A Pequena Sereia'. Porém, nada de caudas de sereia. No livro, certamente teremos uma protagonista nadadora, e um romance cheio de surpresas. Aliás, surpreender os leitores é algo que Paula Pimenta não se cansa de fazer

   E pelo que parece, a autora de 'Fazendo Meu Filme' e 'Minha Vida Fora de Série' já está iniciando os trabalhos do livro. Isso porque nesta Sexta-Feira (11 de Março de 2016), Paula publicou em seu perfil uma foto em que podemos ver um DVD do filme 'A Pequena Sereia', da Disney, junto com um chaveiro e duas capinhas de celular tematizados com a princesa. Na foto (abaixo), a escritora escreveu a seguinte legenda: 'Buscando inspiração... O que será que vem por aí?'
               
   


         Paula Pimenta inicia trabalhos de releitura moderna do conto 'A Pequena Sereia'

   É claro que a publicação logo se encheu de comentários dos leitores, curiosos. Enquanto uns apostavam no início de uma nova série baseada em sereias, outros juravam que se tratava da 4ª temporada de 'Minha Vida Fora de Série', já que no terceiro volume do livro, a protagonista Priscila se aventura a interpretar Ariel na Disney. Já os leitores mais antenados na carreira da autora, sacaram de cara que se tratava de uma nova releitura moderna. "será que a menina vai ser ruiva e vão chamar ela de Ariel? Será que os pais dela tem uma loja que vende peixes? será que ela gosta de peixes? será que o crush dela é diferente dela? AIN SENHOR", foi um dos diversos comentários do post. E você, o que acha que Paula Pimenta vai aprontar em mais uma releitura de princesas? Conta pra gente!

segunda-feira, 14 de março de 2016

Sobre Curiosidades

             Você sabia? Curiosidades sobre 

                        'A Noviça  Rebelde' 

Clássico do cinema é primeiro do novo quadro do 'Sobre Arte' 

            sound of music                                               Julie Andrews cantava, dançava e atuava na pele da noviça Maria 
     
    Acompanha as novidades no nosso blog? Então se prepare para mais uma! Teremos, a partir de hoje, um novo quadro nas nossas atrações. Trata-se do 'Sobre Curiosidades'. Ficou curioso? Pois agora você pode conferir, toda semana, uma lista de curiosidades sobre algum filme, ou livro, música, série... Sim, é isso mesmo! E para estrear escolhemos o clássico filme musical 'A Noviça Rebelde', de 1965, até hoje uma das histórias mais lembradas e citadas do mundo cinematográfico. Bom, então vamos lá!

  1 - Julie Andrews quase recusou o papel que se tornaria o mais marcante de toda a sua carreira, a protagonista Maria de 'A Noviça Rebelde'. A atriz achava que o papel era muito parecido com a 'Mary Poppins', que a tornou célebre no ano anterior. 

2 - O filme "salvou" a 20th Century Fox depois do grande fracasso de 'Cleópatra'. 
    3 - O filme foi inspirado em fatos reais. 
4 - Judy Garland em 'O Mágico de Oz' e Julie Andrews em 'A Noviça' serviram de inspiração para a aparência física de Bela na animação 'A Bela e a Fera'.                                                                                                  
5 - Nos  bastidores, Julie Andrews cantava a canção 'Supercalifragilistcexpialidoucius', da trilha sonora de 'Mary Poppins', para as crianças do elenco.

6 - O ator Christopher Plummer - intérprete do Capitão Von Trapp -  admite, nos Extras da Edição em DVD, que estava bêbado durante as gravações do Festival de Música.

7 -  Plummer admitiu também que odiou fazer o filme, e que contracenar com Julie Andrews era um pesadelo. No entanto, os dois continuam amigos até hoje.

the-sound-of-music2  8 - Quando o elenco chegou na igreja para gravar a cena do casamento de Maria e do Capitão, não havia ninguém no altar para celebrar o casamento. Haviam esquecido de escalar um ator para ser o padre. De acordo com Julie Andrews, é o próprio bispo de Salzburg que aparece no filme.





9 - Quando foi lançado em home vídeo, o filme ficou entre os mais vendidos por mais de 250 semanas, ou seja, quase cinco anos

10 - No Brasil, em 2006, foi feito uma adaptação para os palcos de 'A Noviça Rebelde'. No musical, a estrela mirim Larissa Manoela, no ar como as gêmeas protagonistas de 'Cúmplices de um Resgate' no SBT, dava vida á Gretl. 
 

domingo, 6 de março de 2016

Curiosidades


 


                      Contos de Fadas 

  Atravessando gerações, as célebres histórias infantis se disseminam em diversas mídias    

Chapeuzinho vermelho e a vovozinha                                                                                      'Chapeuzinho Vermelho' 

       Quem não conhece a história da Cinderela? Ou do Gato de Botas? E do Pequeno Polegar? Os contos de fadas estão tão disseminados em nossas diversas culturas que é praticamente impossível encontrar quem responda "não" a essas perguntas. Inicialmente, eles eram histórias passadas de boca em boca, geralmente entre os adultos, até serem recolhidas por autores como Charles Perrault (ou Pierre, seu filho, como veremos mais adiante) e os Irmãos Grimm.
  É em vista disso que o 'Sobre Arte' resolveu fazer uma lista com principais autores e histórias, narrando suas curiosidades e trajetórias. Você sabia, por exemplo, que 'Cachinhos Dourados e os Três Ursos' teve acontecimentos baseados na história de Branca de Neve em sua versão mais conhecida? E que Bela Adormecida já foi Rosa de Urze? Então, vamos lá!

Sobre Charles Perrault, ou Pierre 

     Um caso interessante de se lembrar ao falar de Charles Perrault, compilador de contos como 'Barba Azul', 'Cinderela' e 'Chapeuzinho Vermelho' é que seu filho caçula, Pierre, chegou a ser apontado como escritor da primeira edição de contos de fadas reunidos de Perrault. O motivo foi o nome de Pierre na folha de rosto dessa edição. Hoje os estudiosos não acham mais provável que o compilador daquelas histórias tenha sido Pierre Perrault Darmancout, pelo simples fato de ele estar com apenas dezoito anos na época que teria escrito as histórias. Provas concretas, ninguém tem. 

Bela Adormecida e Rosa de Urze 

  

Ilustração de Walter Crane, o "pai do livro infantil ilustrado"









 Os contos de fadas eram inicialmente tradições orais, transmitidas por boca de pai a filhos, e integravam a cultura de seus determinados países. No Brasil, por exemplo, temos o livro 'Contos da Carochinha', de Figueiredo Pimentel, uma coletânia de histórias populares do nosso país. Era isso que faziam Perrault e os Irmãos Grimm. Em uma das versões da 'Bela Adormecida', ela chamava-se Rosa de Urze. O ilustrador Arthur Rackham, em 1917, em uma ilustração para 'Rapunzel', desenhou urzes no primeiro plano, sugerindo uma conexão com o conto da princesa adormecida. 


Cachinhos Dourados e Cachinhos Prateados 

                              
    Um caso parecido aconteceu com 'Cachinhos Dourados e os Três Ursos'. Na versão ilustrada por Waler Crane, em 1873, a protagonista se chamava Silverlocks, ou seja, Cachinhos Prateados. O primeiro a registrar esse conto em forma narrativa foi Robert Southey, que combinou uma história norueguesa sobre três ursos com a famosa cena de outro conto de fadas, 'Branca de Neve', da versão dos Grimm, quando ela invade a casa dos sete anõezinhos. 

Andersen e os contos de fadas literários 

    Hans Cristhian Andersen inovou ao inventar seus próprios contos de fadas, ao invés de resgatar histórias orais. São dele 'O Patinho Feio', 'A Pequena Sereia', 'A Pequena Vendedora de Fósforos' e outros. Suas histórias com finais muitas vezes tristes incomodavam alguns, que estavam já acostumados com o "e foram felizes para sempre" dos outros contos de fadas. Nem por isso o encanto que seus contos causavam era menor. Hoje, por exemplo, temos uma espécie de Nobel da Literatura Infantil chamado 'Prêmio Hans Cristhian Andersen', devido á sua grande importância na literatura voltada aos pequenos leitores. 

Contos de Fadas no cinema 

 

 Desde muitos e muitos anos as histórias de fadas estão também embutidas em outras mídias, como o cinema, por exemplo. Um ótimo exemplo disso são os filmes da Disney, clássicos que se tornaram tão populares que muitos, por exemplo, conhecem hoje a Bela Adormecida mais por Aurora que por Talia. As animações em longa-metragem da Disney adaptados de contos de fadas surgiram em 1937, com 'Branca de Neve e os Sete Anões', que na época foi visto como uma "loucura", pois os desenhos animados naquele tempo costumavam não durar mais que poucos minutos, sem falar nas cores, que, segundo alguns, "cansariam a vista dos espectadores". Mas o sucesso foi tanto que logo vieram novos filmes nesse mesmo segmento, e continuam até hoje.

Os contos de fadas na TV 

   Atualmente reprisada pela TV Cultura aos sábados, a série 'Os Melhores Contos de Grimm e Andersen' é mais uma prova da dimensão que tomaram os contos de fadas. Produção alemã que estreou em seu país em 2008, o seriado adaptou clássicos como 'Mãe Hulda', 'Dinheiro das Estrelas', 'A Pequena Sereia', entre outros.

E, por fim, as releituras modernas 

                     


'Para Sempre Cinderela' e 'A Nova Cinderela' são apenas alguns dos exemplos de filmes que sugerem releituras contemporâneas de contos de fadas. Mas podemos encontrar dessas releituras na própria literatura. Em 2011, a 'Galera Record' lançou a coletânia juvenil 'O Livro das Princesas', contendo adaptações das princesas para os dias de hoje, por autoras consagradas entre o público teen, sendo elas Meg Cabot, Paula Pimenta, Lauren Kate e Patrícia Barboza. Paula, logo após o sucesso da coletânea, foi convidada pela 'Galera' a fazer a adaptação de mais princesas. Temos já 'Cinderela Pop' e 'Princesa Adormecida', e em Abril desse ano, sai mais um título, dessa vez baseado na história da 'Pequena Sereia'. E o 'Sobre Arte' espera ansiosamente!